Considerada a maior exposição do hemisfério sul, a Bienal de São Paulo realizada a cada dois anos, promete ser poética, enigmática e performativa.

 

35ª Bienal de São Paulo, intitulada “Coreografias do Impossível”, contará com 121 expositores para esta edição, idealizada pelos curadores Diane LimaGrada KilombaHélio Menezes e Manuel Borja-Villel que trabalham de forma coletiva, propondo para este ano um evento mais poético, enigmático e performativo, abraçando a ideia de movimento e repelindo o tempo linear.

 

Esta será uma Bienal sem divisão por temas e sem cronologia. O tema escolhido pela Bienal pretende fazer com que o público se mova entre as obras, atravessando os limites e os contornos do prédio e escapando das impossibilidades do mundo.

 

Embora não tenha a intenção de ser explicada, coletividade e pluralidade são termos que podem ajudar a definir a exposição deste ano. Isso começa pela curadoria. São quatro pessoas com padrões, trajetórias, formas de fazer e que falam de posições distintas  e que se unem para trabalhar conjuntamente. Nessa equipe, pela primeira vez, não há um curador-chefe. E tampouco tem uma direção pré-determinada. O que se tem é um projeto que se vai construindo.

 

Esses dois termos coletividade e pluralidade também foram valorizados para a escolha dos artistas selecionados e que vem sendo chamados pelos curadores de “coreógrafos do impossível”.

 

Na lista desses artistas estão vozes da diáspora e dos povos originários, como o coletivo Mahku, grupo de etnia huni kuin e que este ano esteve presente em uma exposição no Museu de Arte de São Paulo (Masp).

 

A matéria-prima do coletivo Mahku são as mirações que eles vivem e visualizam nos rituais de ayahuasca, chamados de nixi pae. Os trabalhos apresentam figuras bidimensionais, com cores vivas e intensas, e as histórias são compostas a partir dessas experiências nos rituais.

 

Para realçar a ideia de movimento e de bailado contra as impossibilidades do mundo, o projeto arquitetônico e expográfico dessa Bienal, a equipe de arquitetura, Vão, lidera a proposta inovadora do Pavilhão Ciccillo Matarazzo para a 35ª Bienal de São Paulo. O objetivo dos arquitetos desafia as convenções modernistas do prédio, buscando uma nova interação entre obras e visitantes, e pela primeira vez, o vão central do Pavilhão será fechado, proporcionando uma perspectiva inédita.

 

Os participantes desafiam o impossível em suas expressões artísticas, vindos de diferentes contextos, diásporas e povos originários, promovendo um diálogo global. A Bienal abraça o conceito de impossibilidade como um elo entre movimento político e expressão artística.

 

O evento marca um legado histórico, transcendendo barreiras e possibilitando diálogos sobre questões urgentes e inspirando as futuras gerações.

 

Neste ano, a Bienal também está propondo outras formas de diálogos com o público visitante. Com isso, além do espaço expositivo, o evento vai promover uma programação com mesas, performances e ativações de obras que vai ocorrer durante todo o evento.

 

Um passeio cultural imersivo e imperdível, vale a pena conferir!

 

35ª Bienal de São Paulo

Quando: De 6 de Setembro á 10 de Dezembro – De Terça á Domingo

Terça, quarta, sexta, domingo e feriado, das 10h às 19h (Entrada até 18h30)
Quinta e sábado, das 10h às 21h (Entrada até 20h30)

 

Quanto: Grátis

 

Onde: Pavilhão Ciccillo Matarazzo, Av. Pedro Álvares Cabral, S/N  – Parque Ibirapuera / SP

 

 

 

 

 

A postagem Agenda Cultural: 35ª Bienal de São Paulo enaltece ancestralidades e diásporas apareceu primeiro em Jornal Digital da Região Oeste.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inscreva-se em Nossa Newsletters

Ser notificado das melhores promoções no nosso WordPress temas.

Você Também Pode Gostar

Cotia inicia a vacinação seletiva contra meningite nas UBS’s até 28/02

A vacinação visa imunizar jovens contra a meningite ACWY, mesmo que tenham…

Itapevi abre inscrições para elenco  do espetáculo Paixão de Cristo 2023

Vagas são para munícipes com idade a partir de 12 anos e…

Osasco recebe em Agosto o Escopo Beach Festival, com o melhor do Pagode, Funk e Samba

Pela primeira vez na cidade de Osasco, nos dias 26 e 27…

A ANUEPO promove feijoada beneficente em agosto

No formato drive-thru, a ação é a primeira sob o comando da…